terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Cidadãos fazem panfletagem contra aumento da tarifa de ônibus

Cidadãos e representantes de entidades realizam panfletagem nesta quarta, dia 14, às 11h, em frente à MTU (Associação Mato-grossense dos Transportadores Urbanos) contra o aumento da passagem de ônibus, já anunciado publicamente pela prefeitura de Cuiabá.

A movimentação pretende informar a sociedade sobre a intenção da SMTU (Superintendência Municipal de Trânsito e Transportes Urbanos) em parceria com os empresários em elevar a tarifa de R$ 2,05 para R$ 2,40.

"Essa panfletagem tem o objetivo de informar o povo sobre a possibilidade de mais um aumento, o que é um desrespeito. Eu utilizo o ônibus todos os dias e posso afirmar, com certeza, que o nosso transporte é ruim, tem muitos ônibus velhos, falta ar-condicionado em muitos deles, superlotação sempre e o sistema de recarga do cartão sempre está fora do ar. É um absurdo falar em aumento diante de tudo isso", disse a usuária do transporte coletivo e jornalista Ana Paula Carnahiba.

"A prefeitura faz isso em janeiro porque sabe que os estudantes secundaristas e universitários estão de férias e assim há menos possibilidade de manifestações nas ruas. É um golpe contra a população", afirmou Robinson Ciréia, usuário do transporte coletivo e professor de História. Apóiam a panfletagem entidades como o Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor) e a União Nacional dos Estudantes (Une).

"A tarifa atual já é um absurdo, imagine um novo aumento", disse Keka Werneck, presidente do Sindjor. "Apoiamos o ato contra o aumento e vamos fazer de tudo pra saber se a tentativa de uma nova elevação está fundamentado em bases legais e contábeis", observou Paulo Lemos, da assessoria jurídica da Une.

Telefones para contato: Ana Paula Carnahiba (9952-4767), Robinson Ciréia (8429-4993) e Paulo Lemos (9228-0177).
(Leia mais no blog do Sindjor www.sindicatodosjornalistasmt.blogspot.com)
Keka Werneck

Um comentário:

Keka Werneck disse...

Negrão, obrigada pela força. O povo gasta com passe o que não tem. Acho que a idéia do transporte público deve ser pensada como uma possibilidade real, isso se quisermos uma cidade democrática e solidária.
BJss Keka